segunda-feira, janeiro 14, 2008

Filarmónica Recreativa Carvalhense - 100 anos - 100 velas

Decorreu ontem o almoço das Comemorações dos 100 anos da Filarmónica Recreativa Carvalhense no poli-desportivo daquela bonita Vila. Uma festa ímpar com mais de 250 convidados, entre músicos, sócios, directores, entidades oficiais e muita animação. O dia começou com uma romagem ao cemitério e o descerramento de uma lápide de homenagem a todos os que de uma forma ou de outra estiverem ligados a FRC. Segui-se a missa com a colaboração da Banda e que foi muito participada. A Banda interpretou já no local do almoço a Marcha "Industrial". De salientar que neste dia entreram para as suas fileiras mais 3 Jovens, fruto da sua Escola de Música. Seguiu-se um almoço muito bem servido e os discursos que pautaram pelo incentivo, pela homenagem e pela entrega de várias lembranças e apoios. Destacamos a prensença do prof. Doutor Pita - Director do Ministério da Cultura - Centro, que pelo 2º ano consecutivo se associa a esta efeméride e que as suas palavras foram de incentivo, desafio e de esperança para o futuro das Filarmónicas da Região Centro. Em representação da Câmara Municipal da Covilhã - esteve presente o seu Vice-Presidente - Prof. Esgalhado que se prontificou a ajudar e a resolver os probelmas de infiltrações na sede, bem como a renovação instrumental. No final ao som dos Parabéns - 100 velas e um bolo "gigante", com o respectivo espumante fiseram a FESTA! A Banda da Covilhã mais uma vez se congratula com a sua congénere, com a qual mantem uma relação de profícuo afecto e amizade, desejando os maiores sucessos.
TESTEMUNHO de UM MÚSICO e DIRECTOR: Rui Salcedas
Hoje foi seguramente um dia que para sempre irá repousar no mundo das minhas melhores recordações, isto porque foi um reavivar de memória que despertou em mim a saudade e ao mesmo tempo o desejo de continuar a pertencer a esta grande família que é a Filarmónica Recreativa Carvalhense. Penso que não serei de todo ousado se afirmar que foi nesta instituição que passei até hoje os melhores momentos da minha vida. Recordo-me de frases que em noites de boémia me foram ditadas ao ouvido. Frases que passaram a fazer parte da minha conduta enquanto ser social. Frases que alteraram o meu modo de encarar a vida; frases que me fizeram crescer; frases que outros dizem me ter tornado arrogante. É certo que nós, ao longo da existência que nos é conferida, vamos construindo uma identidade…uma identidade que permite aos outros reconhecerem-nos. Uma identidade que nos permite ser alguma coisa, num mundo onde não somos nada. Atrever-me-ia afirmar que nós, seres humanos, temos como objectivo procurar reconhecimento e não a felicidade. Talvez a felicidade seja um efeito secundário de um projecto a todos comum. Mas chega! Basta de devaneios surrealistas! Este meu modo de pensar têm-me tornado demasiado vulnerável… Criticado por muitos, têm-me valido esta conduta o apelido de egocêntrico! Mas tenho pena de a esses não poder atribuir a razão que tanto aguardam, isto porque o meu projecto é colectivo e nele fazem parte as pessoas que eu gosto. Não construí este projecto sozinho mas com gente que para mim vale a pena, gente grande que maioritariamente faz parte da FRC. A eles o meu sincero obrigado! Escrito por: Rui Salcedas

1 comentário:

GNOSIS disse...

eheeeh

Texto retirado do meu diário!:P

Obrigado!;)